MENSAGENS DE REFLEXÃO

Página 3 de 9 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Resolução de Conflitos

Mensagem  sueli em Sex 3 Dez 2010 - 7:19

Resolução de Conflitos

O trem atravessava sacolejando os subúrbios de Tóquio numa modorrenta tarde de primavera. Nosso vagão estava comparativamente vazio: apenas algumas donas de casa com seus filhos e uns velhos indo fazer compras. Eu olhava distraído pela janela a monotonia das casas sempre iguais e das sebes cobertas de poeira.

Chegando a uma estação, as portas se abriram e, de repente, a quietude da tarde foi rompida por um homem que entrou cambaleando no nosso vagão, gritando com violência imprecações incompreensíveis. Era um homem forte, encorpado, com roupas de operário. Estava bêbado e imundo. Aos berros, esbofeteou uma mulher que carregava um bebezinho. A força do tapa fez com que ela fosse cair no colo de um casal idoso. Só por um milagre nada aconteceu ao bebê.

Aterrorizado, o casal deu um pulo e fugiu correndo para a outra extremidade do vagão. O operário tentou ainda dar um pontapé na velha, mas errou a mira e ela conseguiu escapar. Isso o deixou em tal estado de fúria que agarrou a haste de metal no meio do vagão e tentou arrancá-la do balaústre. Pude ver que uma das suas mãos estava ferida e sangrava. O trem seguiu em frente, com os passageiros paralisados de medo. Eu me levantei.

Na época, cerca de vinte anos atrás, eu era jovem e estava em excelente forma física. Vinha treinando oito horas de aikidô quase todos os dias há quase três anos. Gostava de lutar corpo a corpo e me considerava bom de briga. O problema é que minhas habilidades marciais nunca haviam sido testadas em um combate de verdade. Nós alunos de aikidô somos proibidos de lutar.

"Aikidô", meu mestre não cansava de repetir, "é a arte da reconciliação. Aquele cuja mente deseja brigar perdeu o elo com o universo. Se tentarem dominar as pessoas, estarão derrotados de antemão. Nós estudamos como resolver conflitos, não como iniciá-los."

Eu ouvia essas palavras e me esforçava. Chegava a atravessar a rua para evitar os chimpira, os pungas dos videogames que costumam vadiar perto das estações de trem. Ficava exultado com minha própria tolerância e me considerava um valentão reverente, piedoso mesmo. No fundo do coração, porém, desejava uma oportunidade absolutamente legítima em que pudesse salvar os inocentes destruindo os culpados.

Chegou o dia! pensei comigo mesmo enquanto me levantava. Há pessoas correndo perigo e se eu não fizer alguma coisa é bem possível que elas acabem se ferindo.

Quando me viu levantando, o bêbado percebeu a chance de canalizar a sua ira.

- Ah! - rugiu ele. – Um estrangeiro! Você está precisando de uma lição em boas maneiras japonesas!

Eu estava de pé, segurando de leve nas alças presas ao teto do vagão, e lancei-lhe um olhar de nojo e desprezo. Pretendia acabar com a sua raça, mas precisava esperar que ele me agredisse primeiro. Queria que ficasse com raiva, por isso curvei os lábios e mandei-lhe um beijo insolente.

- Agora chega! – gritou ele. – Você vai levar uma lição. – E se preparou para me atacar.

Mas uma fração de segundo antes que ele pudesse se mexer, alguém deu um berro:

- Ei!

Foi um grito estridente, mas lembro-me que tinha um estranho timbre, jubiloso e cadenciado, como quando estamos procurando alguma coisa junto com um amigo e ele subitamente a encontra: "Ei!"

Virei para a esquerda, o bêbado para a direita. Nós dois olhamos para um velhinho japonês que estava sentado em um dos bancos. Devia ter bem mais de setenta anos, esse minúsculo senhor, e vestia um quimono impecável. Não me deu a menor atenção, mas sorriu com alegria para o operário, como se tivesse um importantíssimo e delicioso segredo para lhe contar.

- Vem aqui – disse o velhinho num tom coloquial e amistoso. – Vem aqui conversar comigo – insistiu, chamando-o com um aceno de mão.

O homenzarrão obedeceu, mas postou os pés beligerantemente diante dele e gritou por cima do barulho das rodas nos trilhos:

- Por que diabos vou conversar com você?

Ele agora estava de costas para mim. Se o seu cotovelo se movesse um milímetro que fosse eu o esmagaria. Mas o velhinho continuou sorrindo para o operário.

- O que você andou bebendo? – perguntou, os olhos brilhando de interesse.

- Saquê – rosnou de volta o operário – e não é da sua conta! – completou, lançando perdigotos no rosto do velho.

- Que ótimo – retrucou o velho. – Excelente mesmo. Eu também adora saquê! Todas as noites, eu e minha esposa (ela está com 76 anos, você sabe) aquecemos uma garrafinha de saquê e vamos até o jardim nos sentar num velho banco de madeira. Ficamos olhando o pôr-do-sol e vendo como vai indo o nosso caquizeiro. Foi meu bisavô quem plantou essa árvore, e estávamos preocupados achando que ela não fosse se recuperar das tempestades de gelo do último inverno. Mas a nossa arvorezinha saiu-se melhor do que esperávamos, ainda mais se considerarmos a má qualidade do solo. É gratificante olhar para ela quando levamos uma garrafinha de saquê para apreciar o final da tarde, mesmo quando chove!

E olhava para o operário, seus olhos reluzentes. O rosto do operário, que se esforçava para acompanhar a conversa do velhinho, foi se abrandando e seus punhos pouco a pouco relaxando.

- É, é bom. Eu também gosto de caqui... – mas sua voz acabou num sumiço.

- São deliciosos – concordou o velho sorrindo. – E tenho certeza de que você também tem uma ótima esposa.

- Não – retrucou o operário. – Minha esposa morreu.

Suavemente, acompanhando o balanço do trem, aquele homenzarrão começou a chorar.

- Eu não tenho esposa, eu não tenho casa, eu não tenho emprego. Eu só tenho vergonha de mim mesmo.

Lágrimas escorriam pelo seu rosto; um frêmito de desespero percorreu-lhe o corpo.

Chegara a minha vez. Lá estava eu, com toda a minha imaculada inocência juvenil, com toda a minha vontade de tornar o mundo um lugar melhor para se viver, sentindo-me de repente mais sujo do que ele.

O trem chegou à minha estação. Enquanto as portas se abriam, ouvi o velho dizer solidariamente:

- Minha nossa, que desgraça. Sente-se aqui comigo e me diga o que houve.

Voltei-me para dar uma última olhada. O operário escarrapachara-se no banco, a cabeça no colo do velhinho, que afagava com ternura seus cabelos emaranhados e sebosos.

Enquanto o trem se afastava, sentei-me num banco da estação. O que eu pretendera resolver pela força fora alcançado com algumas palavras meigas. Eu acabara de presenciar o aikidô num combate de verdade, e a sua essência era o amor. A partir de agora teria que praticar a arte com um espírito totalmente diferente. Muito tempo passaria antes que eu voltasse a falar sobre a resolução de conflitos.

Terry Dobson

Histórias da Alma, Histórias do Coração - Editora Pioneira


http://www.metaforas.com.br/

sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Parábola do Poço de Alcatrão

Mensagem  Convidad em Sex 3 Dez 2010 - 19:07

Imagine-se a si mesmo, junto com muitos outros Seres Humanos, num poço de alcatrão. Todos estão cobertos de alcatrão da cabeça aos pés, incapazes de se moverem rapidamente de um sítio para outro devido à espessura do alcatrão.

À medida que se desloca penosamente de um lugar para outro, vai-se habituando a esta situação e, ano após ano, vive a sua vida deste modo, juntamente com outros. Semelhante à gravidade do planeta, o estorvo do alcatrão é simplesmente aceito, é uma realidade para todos.

Este é o estado em que você imagina que está.
Mas, de repente, mas discretamente, você recebe um presente de Deus. Trata-se de uma ferramenta "mágica" que limpa o seu corpo e o mantêm limpo, ainda que continue no alcatrão! Como um campo energético, repele o alcatrão à medida que você avança através dele.

Você aceita o presente e o trabalho que o acompanha, e começa a aprender a usá-lo. Como resultado, você vai mudando lentamente. Começa a destacar-se dos outros, porque é diferente: é fresco e limpo enquanto eles se movem à sua volta, ainda no escuro alcatrão. Então, começa a dar-se conta de como você mesmo co-criou esta situação para si, mas também se apercebe que se trata de um presente muito pessoal. Portanto, não faz comentários acerca do assunto.

Mas, acaso acredita que quem o rodeia não vai reparar que você se movimenta livremente, sem que o alcatrão lhe toque ou lhe impeça a passagem?
Não. Eles verão como o alcatrão toca o seu corpo, mas não o suja! O que acha que irá acontecer? Ah! Repare! Eles estão prestes a mudar!

A primeira coisa que ocorrerá é que vá você onde for, sempre haverá espaço, porque o abrem para si; a segunda coisa que ocorrerá é que lhe perguntam: “Como é possível algo assim?”. E, quando descobrirem a "ferramenta mágica de Deus", cada um deles começará a usá-la, também, por si mesmo, e cada vez haverá mais Humanos "limpos"; cada pessoa estará criando para si mesma, tal como você fez.

Enquanto continua a levar a sua vida caladamente durante um certo período de tempo, repare no está a acontecer àqueles que o rodeiam. Mais de metade deles, estarão “limpos” e sem o estorvo do alcatrão! Pare e pense no que realmente sucedeu. Você não apregoou a sua dádiva nem pediu a ninguém para se transformar; no entanto, transformaram-se. É assim que o trabalho de um só ajuda muitos!

Dizemos-vos, queridos, que, quando vocês se transformam, passam a ser o ponto de partida da mudança daqueles que vos rodeiam. Os Humanos não podem ficar indiferentes quando vêem paz e amor emanando de vocês. É conciliador e está cheio de amor, simultaneamente. Como um imã entre outros imãs, a vossa nova polaridade afetará, mais tarde ou mais cedo, o alinhamento de todos os que vos rodeiam. E a sua existência nunca mais será a mesma.


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  sueli em Dom 5 Dez 2010 - 7:35

Olá!
Bom Domingo Amigos.
Irei postar uma Metafóra.
Já expliquei a voces em posts passados o que significa uma metáfora e como ela tem sido usada em psicoterapia, nessa de hoje há utilização da mesma para a Cura, achei muito interessante.



Metáfora para cura acelerada
Robert W. Fletcher

As metáforas terapêuticas podem ser, muitas vezes, usadas junto com o tratamento médico convencional para acelerar o processo de cura. O que se segue é uma metáfora que eu usei com muito sucesso algumas vezes. A história se inspirou numa experiência que eu tive quando rapaz, num navio que se dirigia para o sul do Pacífico, durante a Guerra da Coréia.

Muitos anos atrás, um dos meus assistentes veio à minha sala, por volta da 1:30 da tarde, muito agitado. Parecendo muito perturbado, ele pediu para sair mais cedo. Sua irmã de 21 anos tinha se envolvido num acidente de carro e foi levada para o hospital numa condição crítica. Ela teve lacerações na pele, duas costelas quebradas, um pulmão perfurado e consideráveis contusões. Ele sabia que eu havia assistido, no último fim de semana, ao seminário sobre Metáforas Terapêuticas com Tom Best e me perguntou se não existia alguma coisa que eu pudesse fazer para ajudá-lo.

Eu disse, "Me fale sobre a sua irmã." Ele disse que ela trabalhava como modelo numa loja de roupas e que adorava esquiar e velejar. Eu criei a história da metáfora a seguir que nós rapidamente anotamos numa folha. Ele foi para o hospital e lhe contou a metáfora enquanto ela estava deitada na sala de emergência. Naquele momento ela estava apenas semiconsciente.

*********************

Uma vez, eu fiz uma viagem num grande navio de São Francisco para o Japão, via Honolulu no Havaí. Três dias depois da partida, em pleno oceano, o barco se deparou com uma tempestade que logo se transformou num tremendo tufão. O capitão, a princípio, pensou que ele podia enfrentar a tempestade, mas logo descobriu que o melhor que podia fazer era tentar escapar dela. Quando ele tentou desviar o navio da tempestade, o navio foi atingido por uma parede de água que quase o fez virar. A parte de trás do navio foi erguida para fora da água e desceu com tanta força que entortou o eixo de aço inoxidável da hélice. A sacudida na carga provocou um furo na lateral do navio, num dos porões de carga, inundando o compartimento e enfraquecendo o casco em diversos lugares.

O Capitão que pensava rápido, imediatamente convocou uma reunião de todos os chefes das equipes (inclusive, mas não limitado ao Chefe Engenheiro, Chefe Encanador e das Caldeiras, Chefe de Manutenção, Chefe da Limpeza, Chefe da Nutrição e Saúde, bem como do seu Navegador e o responsável pelo Radar). Ele falou a todos sobre o perigo imediato que o navio corria e sobre a força da tempestade. Então, ele deu as seguintes instruções:

"Chefe Engenheiro, faça a sua equipe parar o motor #1 ou todo o navio vai vibrar. Verifique e aperte todos os mancais, verifique e lubrifique todos as instalações de óleo, e tenha certeza de que todas as partes móveis sejam mantidas lubrificadas durante a tempestade. Aperte todas as conexões, e fique atento para as tensões, superaquecimentos e defeitos. Estabeleça vigias 24 horas por dia em todos os sistemas."

"Chefe Encanador e das Caldeiras, faça a sua equipe verificar todas as válvulas, apertar todas as conexões, trocar qualquer cano rachado ou frouxo, e estabelecer um turno de 24 horas para vigiar todas os indicadores de pressão e válvulas. Mantenha todas as pressões dentro dos limites indicados."

"Chefe de Manutenção, estabeleça uma equipe especial para reparos. Vá até o compartimento invadido e com um equipamento de mergulho solde o buraco no casco. Use qualquer material ou equipamento que você necessitar da sala de suprimentos para reforçar a estrutura e tornar o navio seguro de novo. Depois bombeie toda a água do compartimento inundado. Designe equipes de prontidão para ter certeza de que estes reparos sejam mantidos durante a tempestade."

"Chefe da Limpeza, envie uma equipe para o porão atingido tão logo ele esteja seguro e ponha em ordem os entulhos. Limpe com muita água e deixe tudo seco. Acelere a limpeza normal de todos os compartimentos, esvaziando, diversas vezes ao dia, os contêineres de lixo dos passageiros. Tenha certeza de que nada é deixado no navio que possa contaminar ou fazer os passageiros ficarem doentes."

"Chefe da Nutrição e Saúde, mude a dieta, tanto da tripulação como dos passageiros, para uma que seja mais condizente com a energia necessária para manter a saúde durante o restante da tempestade. Nós não podemos deixar os passageiros ficarem doentes e, evidente, a tripulação deve ser mantida com boa saúde."

Chefe de Navegação, assinale um novo curso que irá nos afastar dessa tempestade tão rápido quanto possível com os menores danos possíveis."

"Chefe do Radar, faça uma varredura no oceano e na linha costeira a procura de rochas, outros navios ou qualquer outra coisa que possa se intrometer no caminho do navio e retardar a sua chegada a um porto seguro."

Como resultado da decisão rápida do Capitão e das ações que foram tomadas pelos chefes das equipes, o navio foi capaz de se afastar rapidamente da tempestade, fazer os reparos finais no porto de Honolulu e continuar a sua jornada para o Japão. Todos os passageiros estavam seguros e foram capazes não apenas sobreviver a essa aventura, mas também se divertiram bastante no restante da viagem.

******************

O acidente ocorreu na tarde de terça-feira. Na manhã seguinte, o buraco no pulmão dela estava completamente fechado. Eles lhe deram alta do hospital na quinta-feira e, na segunda-feira seguinte, ela já estava de volta ao seu trabalho de modelo.

Eu contei essa história para outra mulher que estava indo para uma cirurgia de remoção de um cálculo biliar. Ela foi operada na quarta-feira (com uma incisão de 20 centímetros abaixo da caixa torácica) e retornou ao trabalho na segunda-feira seguinte.

Eu também usei essa história com uma mulher com pouco mais de 50 anos que precisava de uma histerectomia. O médico avisou que ela devia considerar um período de recuperação de 6 semanas a 6 meses. Quando, após 3 semanas, ela retornou para um check-up, o médico com grande prazer lhe anunciou que ela estava completamente curada e que podia retornar as suas atividades normais. Como antes da operação ela estava planejando um acampamento no alto das Montanhas Rochosas, andando a cavalo, ela perguntou quanto tempo tinha que esperar antes de fazer essa viagem. Ele lhe respondeu "A qualquer hora que você quiser. Enquanto você se sentir bem, ótimo." Ela me comentou, mais tarde, que acompanhou o marido até em cima das montanhas numa viagem de dois dias sem nenhum incômodo causado pela cirurgia.

O último exemplo, usando essa metáfora, é a de um homem de cerca de 60 anos que estava indo para uma cirurgia de implante de um bypass quádruplo no coração. De novo, ele foi liberado mais cedo e se recuperou muito mais rápido do que o esperado.

Eu tenho usado variações dessa história em todas as espécies de doenças e, até agora, tenho tido curas aceleradas em todos os casos.

Durante a demonstração de um programa de alergia interna/externa em 5 de janeiro de 1989 no workshop da Western States Training Association para Practitioners, um dos estudantes perguntou "Por que você não pode fazer o processo de reversão de câncer?" Isso me fez pensar. O resultado é a metáfora que segue.

****************

Num país, não muito longe daqui, vivia um grande general. Sua tarefa era proteger o país e assegurar que todos os habitantes vivessem em paz e harmonia. Para fazer isso, ele mantinha um exército em prontidão e um exército de reservistas, o qual podia ser chamado em condições especiais. Ele também mantinha um serviço secreto cujo trabalho era detectar qualquer espião ou invasores externos. Todos os membros do exército, os reservistas e os do serviço secreto foram cuidadosamente treinados para tarefas específicas designadas para cada grupo. Os membros do exército e do serviço secreto eram soldados em tempo integral, mas os membros reservistas eram civis que ocupavam, na maior parte do tempo, posições na comunidade e que foram treinados para atuar na guerra apenas em casos de emergência.

Por muitos anos, esse país viveu em paz e harmonia. Os habitantes de cada vila e cidade, bem como aqueles das grandes cidades, trabalhavam e divertiam-se juntos e viviam a vida na sua plenitude. Todos, isto é, exceto alguns membros do exército e do serviço secreto. Como eram treinados para guerra, eles começaram a ficar descontentes por não fazerem nada, apenas aguardando e não tendo nenhum lugar para usar suas altamente treinadas habilidades de guerra. Alguns deles decidiram ir para o interior e provocar algum excitamento.

Os desertores do exército partiram para uma pequena parte da zona rural e começaram a atormentar os habitantes locais. Os habitantes não tinham experiência com guerra, e assim se tornaram vítimas fáceis dos habilidosos desertores. Outros membros do exército, vendo a excitação, se evadiram e se juntaram ao esquema. Eles se vestiram com roupas iguais aos dos habitantes locais e se infiltraram nas atividades da comunidade. Eles tentaram se adaptar à comunidade, usando suas habilidades de guerreiros, mas sempre provocavam destruição no seu caminho. Os invasores se pareciam muito com os habitantes locais e eram difíceis de serem detectados.

Devagar no início, mas aumentando rapidamente, o trabalho na comunidade chegou a um impasse. Cada vez mais desertores do exército se envolviam na tentativa de conseguir a sua parte nos saques. O processo prosseguia de cidade para cidade até que um grande clamor começou a se erguer em todo o interior – um grito de alarme. O governador da área tomou consciência do problema e enviou todos os combatentes que ele pode reunir, porém, agora, os desertores do exército eram muitos e altamente habilidosos. Além disso, eles não conseguiam distinguir os desertores dos habitantes locais.

Finalmente, o governador emitiu uma solicitação ao general do exército. (O general não tinha sido avisado do problema até esse momento.) O general imediatamente tentou chamar de volta os desertores, mas eles não o obedeciam mais. Ele chamou o governante do país e este tentou convencê-los pela lógica, mas eles também não o escutaram. Os desertores somente continuavam a crescer em número e a destruir o interior. Um governante vizinho sugeriu que fosse colocada comida envenenada por todo o interior para tentar envenenar os renegados. Isso funcionou um pouco e alguns foram mortos; porém, também muitos dos habitantes locais.

O general e o governante pensaram e pensaram. Por fim, eles delinearam um plano. O general secretamente chamou seu serviço secreto especial e lhes deu um treinamento específico de como distinguir os habitantes locais dos desertores treinados para guerra. A eles foi ensinado como fazer um exame detalhado, pois existiam pequenas diferenças na constituição física. Os soldados eram mais fortes e mais ativos do que os habitantes locais. Também tinham uma expressão diferente nos olhos e padrões de respiração diferente.

O pessoal do serviço secreto especial foi instruído para colocar as roupas dos habitantes locais e se infiltrarem nas vilas e cidades, localizar os soldados desertores e injetar neles um soro especial (conhecido apenas pelo serviço secreto e o general) que os fariam dormir.

O serviço secreto iria depois levar esses soldados adormecidos para um local de retreinamento no interior onde seriam reabilitados para o seu trabalho original. Aqueles que não pudessem ser reabilitados seriam banidos do país. Os guardas do serviço secreto especial foram treinados e colocados para proteger contra qualquer repetição futura de natureza similar.

Deste modo, a paz e a ordem foram restauradas no país fazendo com que os habitantes locais das vilas, cidades, metrópoles e da totalidade do país voltassem a ficar contentes de novo. O governante estava contente, o povo estava contente e o general e o exército estavam contentes.

Robert Fletcher é professor (especializado em ensinar crianças), certificado para ensinar no grau secundário, Educação Industrial, Educação de Surdos e tem ensinado pessoas cegas e surdas nos últimos anos. Robert é Master Practitioner de PNL, hipnoterapeuta certificado e mantém uma clínica particular.

Artigo publicado na revista Anchor Point em dezembro 1993 e republicado no volume 18 número 8.


http://www.metaforas.com.br/

sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  sueli em Dom 5 Dez 2010 - 7:52

Fazendeiro escocês

Autor desconhecidos
O nome dele era Fleming e era um pobre fazendeiro escocês. Um dia, enquanto trabalhava para ganhar a vida, o sustento para sua família, ele ouviu um pedido desesperado de socorro vindo de um pântano nas proximidades. Largou suas ferramentas e correu de encontro aos gritos. Lá chegando, enlameado até a cintura, encontrou um menino gritando e tentando safar-se da morte. O fazendeiro Fleming salvou o rapaz de uma morte lenta e terrível.

No dia seguinte, uma carruagem riquíssima chega à humilde casa do escocês. Um nobre elegantemente vestido sai e apresenta-se como o pai do menino que o fazendeiro Fleming tinha salvado.

- Eu quero recompensá-lo, disse o nobre.

- Você salvou a vida do meu filho.

- Não, eu não posso aceitar pagamento para o que eu fiz, responde o fazendeiro escocês, recusando a oferta. Naquele momento, o filho do fazendeiro veio a porta do casebre.

- É seu filho? perguntou o nobre.

- Sim! o fazendeiro respondeu orgulhosamente.

- Eu lhe farei uma proposta. Deixe-me levá-lo e dar-lhe uma boa educação. Se o rapaz for como seu pai, ele crescerá e será um homem do qual você terá muito orgulho.
E foi o que ele fez. Tempos depois, o filho do fazendeiro Fleming formou-se no St. Mary's Hospital Medical School de Londres, ficou conhecido no mundo como o notável Senhor Alexander Fleming, o descobridor de Penicilina.

Anos depois, o filho do nobre estava doente com pneumonia. O que o salvou? Penicilina. O nome do nobre? Senhor Randolph Churchill. O nome do filho dele? Senhor Winston Churchill.

Alguém disse uma vez que a gente colhe o que planta.
Trabalhe como se você não precisasse do dinheiro.
Ame como se você nunca tivesse tido uma decepção.
Dance como se ninguém estivesse te assistindo.

http://www.portalcmc.com.br/met186.htm

sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  sueli em Dom 5 Dez 2010 - 7:53

O Círculo da Alegria


Conta Bruno Ferrero que, certo dia, um camponês bateu com força na porta de um convento. Quando o irmão porteiro abriu, ele lhe estendeu um magnífico cacho de uvas.
- Caro irmão porteiro, estas são as mais belas produzidas pelo meu vinhedo. E venho aqui para dá-las de presente.
- Obrigado! Vou levá-Ias imediatamente ao Abade, que ficará alegre com essa oferta.
- Não! Eu as trouxe para você.
- Para mim ? - o irmão ficou vermelho, porque achava que não merecia tão belo presente da natureza.
- Sim! - insistiu o camponês. - Porque sempre que bati na porta, você abriu. Quando precisei de ajuda porque a colheita foi destruída pela seca, você me deu um pedaço de pão e um copo de vinho todos os dias. Eu quero que este cacho de uvas lhe traga um pouco do amor do sol, da beleza da chuva e do milagre de Deus, que o fez nascer tão belo.
O irmão porteiro colocou o cacho diante de si e passou a manhã inteira a admirá-lo: era realmente lindo. Por causa disso, resolveu entregar o presente ao Abade, que sempre o havia estimulado com palavras de sabedoria.
O Abade ficou muito contente com as uvas, mas lembrou-se que havia no convento um irmão que estava doente e pensou: "Vou dar-lhe o cacho. Quem sabe, pode trazer alguma alegria à sua vida".
E assim fez. Mas as uvas não ficaram muito tempo no quarto do irmão doente, porque este refletiu: "O irmão cozinheiro tem cuidado de mim por tanto tempo, alimentando-me com o que há de melhor. Tenho certeza que se alegrará com isso".
Quando o irmão cozinheiro apareceu na hora do almoço, trazendo sua refeição, ele entregou-lhe as uvas.
- São para você - disse o irmão doente. - Como sempre está em contato com os produtos que a natureza nos oferece, saberá o que fazer com esta obra de Deus.
O irmão cozinheiro ficou deslumbrado com a beleza do cacho e fez com que o seu ajudante reparasse na perfeição das uvas. Tão perfeitas, pensou ele, que ninguém para apreciá-las melhor do que o irmão sacristão. Como era ele o responsável pela guarda do Santíssimo Sacramento, e muitos no mosteiro o viam como um homem santo, seria capaz de valorizar melhor aquela maravilha da natureza.
O sacristão, por sua vez, deu as uvas de presente ao noviço mais jovem, de modo que este pudesse entender que a obra de Deus está nos menores detalhes da Criação.
Quando o noviço o recebeu, o seu coração encheu-se da Glória do Senhor, porque nunca tinha visto um cacho tão lindo. Na mesma hora, lembrou-se da primeira vez que chegara ao mosteiro e da pessoa que lhe tinha aberto a porta. Fora este gesto que lhe permitira estar hoje naquela comunidade de pessoas que sabiam valorizar os milagres.
Assim, pouco antes do cair da noite, ele levou o cacho de uvas para o irmão porteiro.
- Coma e aproveite - disse. ­ Porque você passa a maior parte do tempo aqui sozinho, e estas uvas o farão muito feliz.
O irmão porteiro entendeu que aquele presente tinha lhe sido realmente destinado, saboreou cada uma das uvas daquele cacho e dormiu feliz.

http://www.metaforas.com.br/metaforas/metaf20071110.asp

sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  ode marina em Dom 5 Dez 2010 - 19:58

Linda mensagem, Sueli! Vou repassar como se fosse o cacho de uvas...
Acredito que à altura da beleza do cacho de uvas está o sorriso (nos lábios, nos olhos, nos gestos) que recebemos e distribuimos. A essência da Criação se vislumbra na beleza que o Amor transmite!
Ótima semana!
Ode



sueli escreveu:O Círculo da Alegria


Conta Bruno Ferrero que, certo dia, um camponês bateu com força na porta de um convento. Quando o irmão porteiro abriu, ele lhe estendeu um magnífico cacho de uvas.
- Caro irmão porteiro, estas são as mais belas produzidas pelo meu vinhedo. E venho aqui para dá-las de presente.
- Obrigado! Vou levá-Ias imediatamente ao Abade, que ficará alegre com essa oferta.
- Não! Eu as trouxe para você.
- Para mim ? - o irmão ficou vermelho, porque achava que não merecia tão belo presente da natureza.
- Sim! - insistiu o camponês. - Porque sempre que bati na porta, você abriu. Quando precisei de ajuda porque a colheita foi destruída pela seca, você me deu um pedaço de pão e um copo de vinho todos os dias. Eu quero que este cacho de uvas lhe traga um pouco do amor do sol, da beleza da chuva e do milagre de Deus, que o fez nascer tão belo.
O irmão porteiro colocou o cacho diante de si e passou a manhã inteira a admirá-lo: era realmente lindo. Por causa disso, resolveu entregar o presente ao Abade, que sempre o havia estimulado com palavras de sabedoria.
O Abade ficou muito contente com as uvas, mas lembrou-se que havia no convento um irmão que estava doente e pensou: "Vou dar-lhe o cacho. Quem sabe, pode trazer alguma alegria à sua vida".
E assim fez. Mas as uvas não ficaram muito tempo no quarto do irmão doente, porque este refletiu: "O irmão cozinheiro tem cuidado de mim por tanto tempo, alimentando-me com o que há de melhor. Tenho certeza que se alegrará com isso".
Quando o irmão cozinheiro apareceu na hora do almoço, trazendo sua refeição, ele entregou-lhe as uvas.
- São para você - disse o irmão doente. - Como sempre está em contato com os produtos que a natureza nos oferece, saberá o que fazer com esta obra de Deus.
O irmão cozinheiro ficou deslumbrado com a beleza do cacho e fez com que o seu ajudante reparasse na perfeição das uvas. Tão perfeitas, pensou ele, que ninguém para apreciá-las melhor do que o irmão sacristão. Como era ele o responsável pela guarda do Santíssimo Sacramento, e muitos no mosteiro o viam como um homem santo, seria capaz de valorizar melhor aquela maravilha da natureza.
O sacristão, por sua vez, deu as uvas de presente ao noviço mais jovem, de modo que este pudesse entender que a obra de Deus está nos menores detalhes da Criação.
Quando o noviço o recebeu, o seu coração encheu-se da Glória do Senhor, porque nunca tinha visto um cacho tão lindo. Na mesma hora, lembrou-se da primeira vez que chegara ao mosteiro e da pessoa que lhe tinha aberto a porta. Fora este gesto que lhe permitira estar hoje naquela comunidade de pessoas que sabiam valorizar os milagres.
Assim, pouco antes do cair da noite, ele levou o cacho de uvas para o irmão porteiro.
- Coma e aproveite - disse. ­ Porque você passa a maior parte do tempo aqui sozinho, e estas uvas o farão muito feliz.
O irmão porteiro entendeu que aquele presente tinha lhe sido realmente destinado, saboreou cada uma das uvas daquele cacho e dormiu feliz.

http://www.metaforas.com.br/metaforas/metaf20071110.asp
avatar
ode marina

Mensagens : 89
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  sueli em Seg 6 Dez 2010 - 8:03

Obriga, Ode, minha linda.
O "cacho de uva" é mesmo para ser compartilhado...
Veja só essa mensagem linda que recebi por email. Boa semana a todos.

Pratique o Desapego


" As abelhas nos dão um grande exemplo de DESAPEGO.
Após construírem a colméia, elas abandonam-na. E não a deixam morta, em ruínas, mas viva e repleta de alimento.
Todo mel que fabricaram além do que necessitavam é deixado.
Batem asas para a próxima morada sem olhar para trás.
Num ato incomum, abandonam tudo o que levaram a vida para construir.
Simplesmente, o soltam sem preocupação se vai para outro.
Deixam o melhor que têm, seja pra quem for - o que é muito diferente de doar o que não tem valor ou dirigir a doação para alguém de nossa preferência.
Se queremos ser livres, parar de sofrer pelo que temos e pelo que não temos, devemos abrigar um único desejo: o de nos transformar.
Assim, quando alguém ou algo tem de sair de nossa vida, não alimentamos a ilusão da perda.
O sofrimento vem da fixação a algo ou a alguém.
O apego embaça o que deveria estar claro: por trás de uma pretensa perda está o ensinamento de que algo melhor para nosso crescimento precisa entrar.
Se não abrirmos mão do velho, como pode haver espaço para o novo?"

Desconhecido

sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  Convidad em Seg 6 Dez 2010 - 20:41

Ode Marina querida I love you que bom te ver amiga!!!
Tambem achei linda essa estória das uvas, Sueli, e digo a voces que conhecer pessoas de
alma doce, é que torna a vida mais interessante.
Um grande beijo


Beleza agrada apenas aos olhos, pois é a doçura das ações que encanta a Alma.
Doçura
é a maestria dos sentidos, olhos que vêem o fundo das coisas...Ouvidos
que escutam o coração das coisas...Boca que fala a essência das
coisas...Doçura é o resultado de uma longa jornada interior ao âmago da
vida.O que é realmente doce nunca pode ser vítima do tempo...Porque doçura é
a qualidade da pessoa cuja vida tocou a eternidade!

Brahma Kumaris


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  fadinha em Ter 7 Dez 2010 - 22:58

Esta é para pensar profundamente:

Tábua de Esmeralda - Hermes Trismegisto

"É verdadeiro, completo, claro e certo. O que está embaixo é como o que está em cima e o que está em cima é igual ao que está embaixo, para realizar os milagres de uma única coisa.

Ao mesmo tempo, as coisas foram e vieram do Um, desse modo as coisas nasceram dessa coisa única por adoção.

O Sol é o pai, a Lua a mãe, o vento o embalou em seu ventre, a Terra é sua ama; o Telesma do mundo está aui.

Seu poder não tem limites na Terra.

Separarás a Terra do Fogo, o sutil do espesso, docemente com grande indústria.

Sobe da Terra para o céu e desce novamente à Terra e recolhe a força das coisas superiores e inferiores. Desse modo obterás a glória do mundo e as trevas se afastarão.

É a força de toda força, pois vencerá a coisa sutil e penetrará na coisa espessa.

Assim o mundo foi criado."

Esta é a fonte das admiráveis adaptações aqui indicadas. Por esta razão fui chamado de Hermes Trismegisto, pois possuo as três partes da filosofia universal.

O que eu disse da Obra Solar é completo.




fadinha

Mensagens : 793
Data de inscrição : 03/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Meu coração é uma estrela - André Luis por Chico Xavier

Mensagem  sueli em Qua 8 Dez 2010 - 7:38

Meu coração é uma estrela - André Luis por Chico Xavier


"O lírio que floresce no lodo é uma estrela de Deus que brilhando no charco, jamais se contamina."


Meu coração é uma estrela, e eu fui criado para o bem e para a luz!...

Não fui criado para o mal, nem para a corrupção.

Não recebi uma alma para transfigurá-la em espectro do lodo.

Não fui feito para o vício e a degradação.

Meu corpo é santuário sagrado criado para a exteriorização do amor e da luz.

Meus sentimentos são pérolas que não devo dividir com a imundície.

Meu pensamento é matéria sutil que devo dirigir para as criações superiores.

Minha vontade é alavanca que deseja meu Deus me projete no rumo da paz e da glória.

Situou-me Ele no mundo para que eu me livre do animal que ainda sou e não que o perpetue em mim.

Preparou-me Ele o espírito para a perfeição da angelitude e não para a degradação infamante da forma.

Soprou-me na mente o progresso e não o gelo da estagnação.

Portanto, estou no mundo em aprendizado e não em escravidão; em busca da luz e não das trevas; forjando a sublimação e não o retrocesso.

Situa-me, Senhor, dentro desta verdade, e me ampara os caminhos para que eu não ceda às tentações do mundo.

Que eu sirva quanto esteja em mim servir; que eu ame quanto possa; que estenda as mãos e ampare sempre; que esteja próximo quando necessitado; que eu caminhe distribuindo o melhor de mim; que possam contar comigo todos os irmãos do mundo, mas te peço Pai: não permite que eu me iluda, me vicie e me perca nele, por ingenuidade ou invigilância, e assim, cego, equivocadamente substitua valores e me afaste de Ti, cada vez mais, para meu próprio prejuízo e infelicidade!...

Assim seja!"

André Luiz - Médium Francisco Cândido Xavier
Fonte:http://angielis.blogspot.com

sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

O nó do afeto

Mensagem  sueli em Qua 8 Dez 2010 - 7:46

O nó do afeto
Autor desconhecido



Em uma reunião de pais, numa escola da periferia, a diretora ressaltava o apoio que os pais devem dar aos filhos; pedia-lhes também que se fizessem presentes o máximo de tempo possível...

Ela entendia que, embora a maioria dos pais e mães daquela comunidade trabalhassem fora, deveriam achar um tempinho para se dedicar e entender as crianças.

Mas a diretora ficou muito surpresa quando um pai se levantou e explicou, com seu jeito humilde, que ele não tinha tempo de falar com o filho, nem de vê-lo, durante a semana, porque, quando ele saía para trabalhar, era muito cedo, e o filho ainda estava dormindo...Quando voltava do serviço, já era muito tarde, e o garoto não estava mais acordado.

Explicou, ainda, que tinha de trabalhar assim para prover o sustento da família, mas também contou que isso o deixava angustiado por não ter tempo para o filho e que tentava se redimir, indo beijá-lo todas as noites quando chegava em casa. E, para que o filho soubesse da sua presença, ele dava um nó na ponta do lençol que o cobria. Isso acontecia religiosamente todas as noites quando ia beijá-lo. Quando o filho acordava e via o nó, sabia, através dele, que o pai tinha estado ali e o havia beijado.

O nó era o meio de comunicação entre eles.

A diretora emocionou-se com aquela singela história e ficou surpresa quando constatou que o filho desse pai era um dos melhores alunos da escola. O fato nos faz refletir sobre as muitas maneiras de as pessoas se fazerem presentes, de se comunicarem com os outros. Aquele pai encontrou a sua, que era simples, mas eficiente. E o mais importante é que o filho percebia, através do nó afetivo, o que o pai estava lhe dizendo.

Por vezes, nos importamos tanto com a forma de dizer as coisas e esquecemos o principal, que é a comunicação através do sentimento; simples gestos como um beijo e um nó na ponta do lençol, valiam, para aquele filho, muito mais do que presentes ou desculpas vazias. É válido que nos preocupemos com as pessoas, mas é importante que elas saibam, que elas sintam isso.

Para que haja a comunicação é preciso que as pessoas "ouçam" a linguagem do nosso coração, pois, em matéria de afeto, os sentimentos sempre falam mais alto que as palavras.

É por essa razão que um beijo, revestido do mais puro afeto, cura a dor de cabeça, o arranhão no joelho, o medo do escuro.

As pessoas podem não entender o significado de muitas palavras, mas sabem registrar um gesto de amor. Mesmo que esse gesto seja apenas um nó... Um nó cheio de afeto e carinho.

E você, já deu algum nó afetivo hoje

http://www.portalcmc.com.br/met309.htm



sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

A pedra

Mensagem  sueli em Qua 8 Dez 2010 - 7:47

Tenham um lindo dia!


A pedra


O distraído nela tropeçou.
O bruto a usou como projéctil.
O empreendedor, usando-a, construiu.
O camponês, cansado da lida, dela fez assento.
Para meninos, foi brinquedo.
Drummond poetizou.
Já David matou Golias.
E Leonardo extraiu-lhe a mais bela escultura...
Em todos esses casos, a diferença não está na pedra, mas no homem.

http://saopedro.com.sapo.pt/Arquivo/Contos.html



sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Olhar para cima... e para os lados

Mensagem  Convidad em Qua 8 Dez 2010 - 23:25

Olá, achei especial esse especial:



ESPECIAL STUM: Olhar para cima... e para os lados

Sou um ser privilegiado, com certeza. Ainda que conviva com óbvias limitações, finalmente vivo feliz, pois respiro o autoconhecimento, estou imerso na busca da verdade e trilho o caminho da espiritualidade 24 horas por dia, 7 dias por semana. E isso não tem preço.
E a cada dia, estando sempre de mente serena e coração aberto, novas informações e experiências passam a fazer parte de minha bagagem, reforçando ainda mais minha fé, perseverança e determinação de seguir adiante.
Não mais preciso viajar para encontrar fora, por vezes longe, aquilo que desde sempre carrego em meu interior, que habita permanentemente em mim, que está sempre atualizado e à disposição e que acesso quando é preciso, bastando somente silenciar minha mente. Sim, ainda luto muito para conseguir manter este estado de harmonia, para não perder a conexão com a Fonte, com o Todo, pois os ruídos do meio são fortes e onipresentes.

Sei que é fácil sucumbir aos infinitos apelos do mundo material que nos cerca, implacável, sem respeito, sem ética, sem amor... o mundo efêmero das ilusões não poupa os fracos de espírito, os indiferentes, que ignoram as leis da vida e preferem fazer parte da manada em vez de assumir sua unicidade, seu poder inato, o rumo de sua própria vida, tornando-se candidatos a doenças da alma, do corpo e a uma vida chata, padronizada e sem sentido.
Já passou da hora de NÓS fazermos algo para mudar esta situação.
Respeito o livre-arbítrio de todo mundo, é claro, mas sei que precisamos chegar com sensibilidade também ao coração desses seres e lhes direcionar amor incondicional e vibração de bem-aventurança, permitindo assim, que a Luz penetre fundo em suas almas, todos eles sendo irmãos de caminhada.
V. e eu com certeza já sofremos tanto quanto eles ou mais, até que sincronicidades, circunstâncias preciosas da vida nos levaram, pelo amor ou pela dor, a sair do casulo e iniciar uma jornada de autodescoberta, de conscientização e de infinitas e sutis recompensas.

Sim, este é mais uma vez um apelo, um pedido aos leitores do Boletim para que cada um se torne, se já não está nesta condição, um missionário, um ponto de Luz pura a melhorar tudo à sua volta com sua presença firme, consciente, suave e divina. Cada um com sua maneira peculiar de ser, usando seus instrumentos únicos e sua intuição para transformas seu lar, seu ambiente de trabalho ou de lazer num templo esplêndido de beleza e paz, num lugar de imensa alegria.
Há pessoas que, ainda muito plugadas na racionalidade, na inflexibilidade, no fundamentalismo religioso, sabotarão nossas ações. Mas quem está com a Luz não teme a escuridão nem a sombra e as sementes plantadas germinarão no tempo certo. Confie em V. e na Fonte; a transformação virá e será para sempre. Sem volta.

Os tempos estão mais e mais propícios para a ação. O corrompido e manipulador sistema material que ainda nos governa, dá amplos sinais de debilidade, de incapacidade -ou de total falta de interesse-, em lidar com as questões básicas da humanidade e cada vez mais percebemos quanta podridão, ignorância e primariedade fazem parte essencial da personalidade de quem governa o mundo. Sim, somos regidos por seres sem ideais, sem caráter, de alma pequena e ego gigantesco. Pouco ou nada de bom para a humanidade ou o planeta Terra brotará desses indivíduos que acima de tudo colocam frios números, ficando a economia como principal indicador para avaliar um país, mesmo que este esteja destroçado na ética, educação, saúde, segurança pública, distribuição de renda ou outros aspectos determinantes.

No entanto, muito está sendo feito no mundo inteiro, ainda que não seja interesse da mídia divulgar. Deveremos brevemente chegar a uma massa crítica de formadores de opinião livres de condicionamentos e de consciência expandida, de forma a produzir e expandir o campo energético positivo e a vibração da Luz da Terra. Nosso poder é fabuloso... somos seres de Luz, carregando a Divindade em nosso peito. Podemos co-criar, moldar a realidade à nossa volta, transformar sombra em Luz, feiúra em beleza, tristeza em felicidade, depressão em serviço ao Todo.
Tudo é possível quando entramos em sintonia com a Fonte e quando a clareza de nosso pensamento, a persistência e o foco em nossas atitudes norteiam nosso dia-a-dia, nossa missão de vida.
Quantas e quantas existências já cruzamos em nossa andança cósmica, quantas valiosas experiências realizamos até o momento para nos encontrarmos tão abertos e conscientes?

Está mais do que na hora de juntar forças, de aumentar nosso raio de ação. No que me diz respeito, não irei desistir nunca de ser eu mesmo, fiel até o fim à minha essência e à missão que aceitei ao encarnar; no tempo de vida que me resta pretendo fazer o máximo, o melhor que posso para passar a mensagem adiante, auxiliar a "despertar" tantas pessoas quantas for possível e de todas as formas, a socorrer quem for preciso, a ser um instrumento da glória do Criador, do Universo.

Estamos próximos do Natal, tempo de lembrar de nosso Guia Maior, de honrar sua Presença, de nos espelhar em seus atos, seus predicados que são a Humildade, a Simplicidade, a Unidade e um Amor infinito -acima de tudo- para com todos. E veio agora a intuição de lembrar que não estamos entrando somente em uma boa época para distribuir presentes. É o tempo de usar a cada momento a mais bela forma de Amor: o Perdão, para com todos os nossos companheiros de viagem, sejam eles da família carnal ou da família espiritual.

Namastê
Sergio STUM


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  fadinha em Qui 9 Dez 2010 - 0:15

Sueli,

Que coisa linda essa história do nó do afeto.
O que me chamou a atenção foi o nó mesmo. Sabe, já tem um tempo que ando pesquisando sobre o nó.
Exatamente sobre isso, sobre o nó.
Se você entender como funcionou para mim a associação de idéias, você entenderá porque pesquisar sobre nós e dar nó e soltar nó.
Tenho ido muito a um Santuário aqui na cidade dedicado à Nossa Senhora dos Nós. Tem uma capelinha linda de um lado e do outro lado tem uma Igreja bem maior. Prefiro a capelinha, mas, às vezes vou até a igreja maior. Essa igreja já foi uma boite, chamada Rhodes e foi construida com enormes colunas em vários lugares. No jardim de entrada tem uma escadinha e de cada lado uma coluna muito alta encimada por uma trave. Simplesmente fizeram a igreja com a mesma decoração da boite, penso que seria oneroso mudar e está muito bonito. Acontece que ao passar pela entrada não posso deixar de me lembrar do Templo de Ísis.
A associação vem na hora.
Vai daí... Nossa Senhora dos Nós...Ísis... laço de Ísis, Shen, cruz ansata, nó de Ísis... nó de Ísis?

Sim! nó de Ísis.

Vou colocar um trechinho da minha pesquisa aqui...um pouco bagunçada, mas dá para entender:

Outras vezes, a cruz ansada aparece encostada no meio da testa, entre os olhos, indicando então, o ser iniciado nos mistérios e a obrigação do segredo; é a chave que fecha os arcanos para os profanos. Aquele que se beneficia da visão suprema, que foi dotado de clarividência, que rompeu o véu do Além, não poderá jamais tentar revelar o mistério sem perdê-lo para sempre.


A cruz ansada é frequentemente relacionada ao nó de Ísis como símbolo da eternidade. E não é por causa da direção das linhas retas, prolongadas imaginativamente ao infinito, mas porque essas linhas convergem para a presilha fechada, onde se reúnem. Essa presilha simboliza a essência infinita da energia vital, identificada com Ísis, de onde provém toda a manifestação de vida. Por isso é usada como um talismã por todos aqueles que desejam participar de sua vida. A cruz ansada pode, portanto, ser assimilada à arvore da vida [releia o gênesis bíblico ou procure sobre kabbalah na internet :p ] com seu fronte e sua fronde.

O Nó de Ísis, com essa espécie de cordão que envolve os braços e o anel da cruz, como se fossem cabelos entrelaçados ou trançados é de uma significação mais complexa. Acrescenta ao sentido de signo de vida e de imortalidade os sentidos que atam à vida mortal e terrena, e que é importante que sejam desatados para se alcançar a imortalidade [ísis, provedora da vida... nós... desatar os nós... pq me lembrei desta imagem, hein? Wink ] . Desata teus laços, diz um texto do Livro dos Mortos Egípcio: solta a presilha de Néftis; ou ainda: Os luminosos são aqueles que usam a presilha! Com um sentido análogo, há um livro budista tibetano que se intitula: Livro do Desenrolamento dos Nós.

Ao passo que a simples cruz ansada simboliza a imortalidade divina, o nó de Ísis indicaria as condições dessa imortalidade: o desenrolamento dos nós, em seu sentido próprio – o de desenlace.



[fonte: CHEVALIER, Jean. Dicionário de Símbolos. Ed. José Olympio

Em outras pesquisas li que as sacerdotisas egícias previam o tempo ao enrolar e desenrolar das tranças do cabelo.

E pesquisando sobre o nó de Ísis percebi que era muito utilizado na cabeça, como uma banda e na cintura como um laço.
...e, como desafio é desafio, isso me lembrou também um desafio do Janis (um forista do Ascensão) quando mostrou uma figura de tapeçaria com um unicornio preso dentro de uma cerca e, em volta havia uma corda com um laço e...um nó. Eu tinha visto essa figura em minha adolescência em uma revista e nunca me esqueci dela.

maria elisa
fadinha

fadinha

Mensagens : 793
Data de inscrição : 03/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

"O BAMBU É OCO, VAZIO DE SI MESMO"

Mensagem  sueli em Qui 9 Dez 2010 - 7:52

Bom Dia!
Querida fadinha, quantas afinidades temos... somos irmãs astrais.
Amo tudo sobre o Egito desde criança, lembro-me que ganhei um livro sobre o Egito e a sua civilização e me apaixonei; passsei a ler sempre sobre História Antiga e descobri as Civilizações Antigas, Romanos, Gregos, Fenícios, etc.
Sempre ganho pirâmides, estatuetas, canetas, quebra-cabeças enfim diversos presentes com esse tema e A-DO-RO, já ganhei de amiga até fotos de sarcófagos expostos nos USA, um dia irei visitar as pirâmides...
Interessantíssima a sua pesquisa sobre "nós", me fez lembrar na história que irei postar.
Antes que me esqueça, onde fica esse Santuário que você citou, mande por MP.
Um beijão querida, fique sempre na luz!


"O BAMBU É OCO, VAZIO DE SI MESMO"






Depois de uma grande tempestade, o menino que estava passando férias
na casa do seu avô, o chamou para a varanda e falou:
Vovô, corre aqui !







Me explica como esta figueira, árvore frondosa e imensa, que precisava
de quatro homens para abraçar seu tronco se quebrou, caiu com vento
e com chuva, eeste bambu tão fraco continua de pé ?








Filho, o bambu permanece em pé porque teve a humildade de se curvar
na hora da tempestade. A figueira quis enfrentar o vento. O bambu
nos ensina sete coisas. Se você tiver a grandeza e a humildade dele,
vai experimentar o triunfo da paz em seu coração.






A primeira verdade que o bambu nos ensina, e a mais importante,
é a humildade diante dos problemas, das dificuldades. Eu não me
curvo diante do problema e da dificuldade, mas diante daquele, o único,
o princípio da paz, aquele que me chama, que é o Senhor.






Segunda verdade: o bambu cria raízes profundas. É muito difícil arrancar
um bambu, pois o que ele tem para cima ele tem para baixo também.
Você precisa aprofundar a cada dia suas raízes em Deus na oração.




Terceira verdade: Você já viu um pé de bambu sòzinho? Apenas quando
é novo, mas antes de crescer ele permite que nasça outros a seu lado
(como no cooperativismo). Sabe que vai precisar deles. Eles estão
sempre grudados uns nos outros, tanto que de longe parecem com uma árvore.
Às vezes tentamos arrancar um bambu lá de dentro, cortamos e não conseguimos.
Os animais mais frágeis vivem em bandos, para que desse modo se livrem
dos predadores.



A quarta verdade que o bambu nos ensina é não criar galhos. Como tem a
meta no alto e vive em moita, comunidade, o bambu não se permite
criar galhos. Nós perdemos muito tempo na vida tentando proteger
nossos galhos, coisas insignificantes que damos um valor
inestimável. Para ganhar, é preciso perder tudo aquilo que nos
impede de subirmos suavemente.




A quinta verdade é que o bambu é cheio de “nós”
( e não de eu’s ).
Como ele é ôco, sabe que se crescesse sem nós seria muito fraco. Os nós
são os problemas e as dificuldades que superamos. Os nós são as pessoas que
nos ajudam, aqueles que estão próximos e acabam sendo força nos momentos
difíceis. Não devemos pedir a Deus que nos afaste dos problemas e dos
sofrimentos. Eles são nossos melhores professores, se soubermos
aprender com eles.


A sexta verdade é que o bambu é ôco, vazio de si mesmo. Enquanto não nos esvaziarmos de tudo aquilo que nos preenche, que rouba nosso tempo, que tira nossa paz, não seremos felizes. Ser ôco significa estar pronto para ser cheio do Espírito Santo.






Por fim, a sétima lição que o bambu nos dá:
ele só cresce para o alto. Ele busca as coisas do Alto. Essa é a sua meta.

sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  sueli em Qui 9 Dez 2010 - 7:59

Irmãos, vou complementar o Conto sobre o Bambu com um texto do Paulo Coelho.
Tenham todos um lindo dia!


O bambu chinês
por Paulo Coelho


|Depois de plantada a semente do bambu chinês, não se vê nada por aproximadamente 5 anos – exceto um diminuto broto. Todo o crescimento é subterrâneo; uma complexa estrutura de raiz, que se estende vertical e horizontalmente pela terra, está sendo construída. Então, ao final do 5º ano, o bambu chinês cresce até atingir a altura de 25 metros.

Muitas coisas na vida pessoal e profissional são iguais ao bambu chinês. Você trabalha, investe tempo, esforço, faz tudo o que pode para nutrir seu crescimento e, às vezes, não vê nada por semanas, meses ou anos. Mas, se tiver paciência para continuar trabalhando, persistindo e nutrindo, o seu 5º ano chegará; com ele virão mudanças que você jamais esperava.

Lembre-se que é preciso muita ousadia para chegar às alturas e, ao mesmo tempo, muita profundidade para agarrar-se ao chão.

http://g1.globo.com/platb/paulocoelho/2009/06/02/o-bambu-chines/

sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Porque as pessoas gritam???

Mensagem  sueli em Sab 11 Dez 2010 - 7:45

Bom Sábado a todos!


Porque as pessoas gritam???
abril 12, 2010 por Douglas Ferreira



Mahatma Gandhi


Um dia, um pensador indiano fez a seguinte pergunta a seus discípulos:

- Por que as pessoas gritam quando estão aborrecidas?

- Gritamos porque perdemos a calma, disse um deles.

- Mas, por que gritar quando a outra pessoa está ao seu lado? Questionou novamente o pensador.

- Bem, gritamos porque desejamos que a outra pessoa nos ouça, retrucou outro discípulo.

E o mestre volta a perguntar: – Então não é possível falar-lhe em voz baixa?

Várias outras respostas surgiram, mas nenhuma convenceu o pensador. Então ele esclareceu: – Vocês sabem porque se grita com uma pessoa quando se está aborrecida?

O fato é que, quando duas pessoas estão aborrecidas, seus corações se afastam muito. Para cobrir esta distância precisam gritar para poderem escutar-se mutuamente. Quanto mais aborrecidas estiverem, mais forte terão que gritar para ouvir um ao outro, através da grande distância.

Por outro lado, o que sucede quando duas pessoas estão enamoradas? Elas não gritam. Falam suavemente. E por quê?

Porque seus corações estão muito perto. A distância entre elas é pequena. Às vezes estão tão próximos seus corações, que nem falam, somente sussurram.

E quando o amor é mais intenso, não necessitam sequer sussurrar, apenas se olham, e basta. Seus corações se entendem.

É isso que acontece quando duas pessoas que se amam estão próximas.

Por fim, o pensador conclui, dizendo: ”Quando vocês discutirem, não deixem que seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais, pois chegará um dia em que a distância será tanta que não mais encontrarão o caminho de volta”

Que seus dias sejam repletos de amor e paz!

http://coachingsp.wordpress.com/2010/04/12/porque-as-pessoas-gritam/


sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  Convidad em Seg 13 Dez 2010 - 10:22

Bom dia sorridente aos irmãos de todos os Estados!!! I love you flower


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  sueli em Ter 14 Dez 2010 - 7:29


Bom Dia Turma!!!


Bom Dia Coração
http://www.youtube.com/watch?v=2RdfnZRyvsM&feature=related


sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  sueli em Ter 14 Dez 2010 - 7:30

Nunca deixe de voar!
http://www.youtube.com/watch?v=OW-xGKZ22CQ&feature=related


sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  Convidad em Qua 15 Dez 2010 - 1:51


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  Convidad em Qua 15 Dez 2010 - 1:53



BOM DIA! sunny

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Fraqueza ou Força?

Mensagem  sueli em Qui 16 Dez 2010 - 8:22


Bom Dia a Todos.


Fraqueza ou Força?

Um garoto de 10 anos de idade decidiu praticar judô, apesar de ter perdido seu braço esquerdo em um terrível acidente de carro.

Disposto a enfrentar as dificuldades e sua limitações, começou as lições com um velho mestre japonês.

O menino ia muito bem. Mas, sem entender o porquê, após três meses de treinamento, o mestre tinha-lhe ensinado somente um movimento. O garoto então disse:

- Mestre, não devo aprender mais movimentos?

O mestre respondeu ao menino, calmamente e com convicção:

- Este é realmente o único movimento que você sabe, mas este é o único movimento que você precisará saber.

Sem entender completamente, mas acreditando em seu mestre, o menino manteve-se treinando. Meses mais tarde, o mestre inscreveu o menino em seu primeiro torneio.

Surpreendendo-se, o menino ganhou facilmente seus primeiros dois combates. O terceiro combate revelou ser o mais difícil, mas depois de algum tempo seu adversário tornou-se impaciente e agitado. Foi então que o menino usou o seu único movimento para ganhar a luta.

Espantado ainda por seu sucesso, o menino estava agora nas finais do torneio. Desta vez, seu oponente era bem maior, mais forte, e mais experiente.

Preocupado com a possibilidade do garoto se machucar, cogitaram em cancelar a luta, quando o mestre interveio:

- De forma alguma! Deixe-o continuar.

Desta forma, o garoto, usando os ensinamentos do mestre, entrou pra luta e, quando teve oportunidade, usou seu movimento para prender o adversário.

Foi assim que o menino ganhou a luta e o torneio. Era o campeão. Mais tarde, em casa, o menino e o mestre reviram cada movimento em cada luta. Então, o menino criou coragem para perguntar o que estava realmente em sua mente:

- Mestre, como eu consegui ganhar o torneio com somente um movimento?

- Você ganhou por duas razões - respondeu o mestre. - Em primeiro lugar, você dominou um dos golpes mais difíceis do judô. E em segundo lugar, a única defesa conhecida para esse movimento é o seu oponente agarrar seu braço esquerdo.

A maior fraqueza do menino tinha-se transformado em sua maior força...

Assim, também nós podemos usar nossa fraqueza para que ela se transforme em nossa força..

O que realmente importa é o poder da determinação.


http://www.metaforas.com.br/


sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Não desista dos seus sonhos

Mensagem  sueli em Qui 16 Dez 2010 - 8:23

Não desista dos seus sonhos

http://www.youtube.com/watch?v=r7pTGrc0Ikc&feature=related

sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  sueli em Dom 19 Dez 2010 - 8:16

Sonho - Poema de Clarice Lispector




Mensagem de Reflexão - Aproveite a Vida


http://www.youtube.com/watch?v=htmfKN6bjOE[youtube]

sueli

Mensagens : 227
Data de inscrição : 01/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MENSAGENS DE REFLEXÃO

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 9 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum